A Vida Invisível

08/11/2019

 

 

 

Um aviso aos que torcem o nariz para o cinema nacional: o Brasil está produzindo filmes incríveis que estão sendo premiados nos principais festivais do mundo. Este ano, pela primeira vez, tínhamos dois representantes importantes: “Bacurau”, de Kleber Mendonça Filho e “A Vida Invisivel”, de Karim Aïnouz. Um dos dois tinha que ser escolhido como representante oficial do Oscar, e Aïnouz levou a melhor.

 

“A Vida Invisível” foi ovacionado por mais de vinte minutos em Cannes após sua exibição, eu vi  enquanto acompanhava a cobertura do Festival e fiquei impressionada e morrendo de vontade de ver filme.

E como imaginei, adorei:  “A Vida Invisível” é de uma delicadeza impressionante.  Forte e incrivelmente atual.

O longa conta a história de duas irmãs sonhadoras que tem sonhos e desejos, como todas as jovens. Diferentes, elas reagem de maneira distinta à pressão da sociedade e da família e assim seguem suas vidas.

 

Carol Duarte (Eurídice) e Julia Stockler (Guida) dão um show.  As duas irmãs são filhas de uma família tradicional portuguesa e lutam pelo seu lugar no mundo enfrentando as regras do patriarcado. Eurídice é introvertida enquanto Guida é mais ousada. Quando Guida resolve fugir, Eurídice fica com o fardo todo para ela. E se ressente disso, além de morrer de saudade da irmã.

 

É importante destacar que o diretor Karim Aïnouz sempre trouxe às suas obras personagens complexos, com suas histórias intimistas, quase sempre com temas ousados como pano de fundo ( Aïnouz é também diretor de “Madame Satã”, “O Céu de Suely” e “A Praia do Futuro).

 

A história fala, principalmente, sobre a ausência e o reencontro. Não somente das irmãs que se separam, mas sobre sonhos, família e a vida que nos leva. O filme fala sobre a submissão da mulher e o poder dos homens sobre o destino delas, seja quando a relação é com o pai e seus mandos ou com o marido indiferente. Gregório Duvivier faz o marido de Eurídice, um homem que embora pareça dócil ignora os desejos da esposa, o que não deixa de ser uma forma de agressão.

 

O diretor construiu uma narrativa seca, crua, para justamente mostrar como a vida pode ser difícil fora do espectro cinematográfico, enfatizando o olhar duro da vida real.  Então construiu um filme belíssimo que fecha com a atuação impecável e emocionada de Fernanda Montenegro (que faz Eurídice aos 80 anos e que pode render à ela uma indicação ao Oscar de melhor atriz coadjuvante).

Fechando os créditos ao som de um fado português, onde o destino é sua mensagem, “A Vida Invisível” saiu vencedor da Mostra Um Certo Olhar, em Cannes e é uma obra prima. Não percam !

 

 

 

 

Gostou do texto? Escreva para mim: stella.domenico@hotmail.com

 

Já segue nosso Instagram? Segue lá e participe dos nossos sorteios e saiba tudo que acontece em Águas Claras. @aguasclarasmidia

 

Contribua para a melhoria e desenvolvimento de nossa cidade! Participe do Grupo de Águas Claras Mídia de Moradores no WhatsApp – Envie nome, endereço e telefone para: contato@aguasclarasmidia.com.br  

 

Sitewww.aguasclarasmidia.com.br
Facebook: www.facebook.com/aguasclarasmidia
Instagram: www.instagram.com/aguasclarasmidia
Twitterwww.twitter.com/aguasclaramidia
Youtube: www.youtube.com/aguasclarasmidia

 

Águas Claras Mídia – Sua Cidade em um Click

 

AguasClarasMidia #AguasClaras #AguasClarasDF

Compartilhe no Facebook
Compartilhe noTwitter
Please reload

Posts Em Destaque

Professor é demitido após pedir redação sobre sexo para alunos de 12 anos

1/10
Please reload

Posts Recentes